Defesa pede liberdade provisória de idoso que matou a esposa

Advogados também protocolarão pedido de prisão domiciliar caso o flagrante seja convertido em preventiva.
Luana Rodrigues/Portal Sorriso
Sorriso-MT
A defesa de Severino Zanchin, de 89 anos, deve protocolar um pedido de liberdade provisória. O idoso, que assassinou a facadas a esposa Lucianda de Oliveira, de 75 anos, após uma discussão, segue internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional devido uma lesão por arma branca no abdômen. 
Conforme o advogado Juliano Tramontina, segundo familiares, foi confirmado que o idoso ficou furioso após saber que uma cama nova havia sido comprada. “Segundo familiares, sem ocasiões anteriores, a filha do idoso, ao vir de Tangará visitar pais, trocava móveis e utensílios e a conta sobrava sempre para os pais pagarem. A filha disse que pagou o móvel [cama], mas ele achou que ele pagaria a conta”. 
Nos autos do inquérito, a filha do idoso, que foi ferida na mão, contou que o pai correu atrás dela, mas ela conseguiu se desvencilhar dele. “Ele voltou para casa e acabou esfaqueando a esposa. Observamos é que a motivação vem de casos anteriores entre ele e a filha”, disse Tramontina. 
Ainda segundo familiares, Severino não sabe que a esposa faleceu. Ele segue internado na UTI após passar por procedimento cirúrgico. A polícia ainda investiga se a lesão foi provocada pelo próprio idoso, caso ele tenha tentado suicídio, ou se foi golpeado por alguém. 
Outro advogado de defesa do idoso, Carlos Koch, explicou que ainda será apurada a suposta tentativa de homicídio em desfavor da filha do idoso, que foi preso pela Polícia Rodoviária Federal, no local do fato, no último dia 2, em uma fazenda situada às margens da BR-163. 
Além de protocolar o pedido de concessão de liberdade provisória, a defesa do idoso pretende ingressar com o pedido de prisão domiciliar caso ocorra a conversão da prisão em flagrante em preventiva.
“A legislação prevê que a prisão preventiva pode ser substituída pela domiciliar quando o agente for maior de 80 anos. A defesa entende que diante da pandemia do coronavírus, da idade avançada e do quadro clínico dele, que vai ter que passar pelo período pós-operatório, o CRS [Centro de Ressocialização de Sorriso] não tem estrutura adequada para prestar atendimento devido ao senhor idoso que se enquadra na condição de vulnerável”. 
Além disso, segundo Koch, o pedido de liberdade provisória foi feito em decorrência de o idoso ser réu primário. “Ele tem bons antecedentes, mora em Sorriso desde 1981 e nunca respondeu a processo criminal. Não se trata de uma pessoa perigosa que represente um risco à sociedade porque o fato foi isolado. Até mesmo o uso de tornozeleira vai fazer com que o processo penal fique protegido e a filha dele também”. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *