Funcionária de fazenda é presa suspeita de esquema de desvio de cargas de soja no valor de R$ 1 milhão em MT

Junto com ela, um homem também foi preso, suspeito de participar do esquema.

Fonte – G1 MT

Delegacia da Polícia Civil em Brasnorte — Foto: Divulgação
Duas pessoas envolvidas em um esquema de desvio de cargas de soja de uma propriedade rural em Brasnorte, no norte do estado. O caminhão que transportava uma das cargas desviada foi abordado no município e foram recuperadas 49 toneladas de soja retiradas do armazém da vítima sem nota fiscal emitida pela empresa proprietária dos grãos. Um dos suspeitos é uma funcionária da fazenda.
De acordo com o delegado, as cargas desviadas da propriedade causaram um prejuízo estimado pela vítima em R$ 1 milhão. A carga aprendida nesta quarta-feira está avaliada em 135 mil reais.
O proprietário da fazenda desconfiou de que estivesse sendo vítima de um esquema de desvio de cargas de soja e procurou a Delegacia de Brasnorte para registrar a ocorrência. Ele relatou que desde os primeiros meses deste ano deu falta de toneladas de soja do setor de armazenamento da fazenda e suspeitava que carretas retiravam as carga com notas frias.
A partir das informações repassadas pela vítima, o delegado Heberth Hugo Montenegro instaurou investigação para apurar os fatos.
Na quarta-feira (5), o proprietário da fazenda informou a Polícia Civil que uma carga saiu da fazenda e seguiu em direção ao município de Campo Novo dos Parecis, sem documentação fiscal dos grãos transportados.
Após solicitação de apoio à Delegacia de Campo Novo dos Parecis, o caminhão foi abordado e com o motorista, de 35 anos, foram encontradas notas fiscais falsas. Ele foi preso em flagrante e conduzido à delegacia de Brasnorte.
Depois da apreensão da carga, os policiais de Brasnorte foram até o escritório da fazenda da vítima onde indagaram uma funcionária sobre o esquema de desvio das cargas de soja.
Ela confessou a participação na ação criminosa detalhando sobre a facilitação e o despacho das notas frias de soja emitidas por ela para que as carretas pudessem sair da fazenda com as cargas.
A funcionária da fazenda, de 37 anos, relatou aos policiais que recebia R$ 10 mil por carreta que saía com nota fria da propriedade rural. A suspeita passou mais informações e a participação de outras pessoas no esquema, que serão apuradas pela equipe da Polícia Civil de Brasnorte. Na casa dela, os policiais apreenderam um notebook e um celular que serão analisados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *